Transição capilar: o que é e como faz?

Por definição transição capilar é um processo em que a mulher ou até mesmo homens, deixam o seu cabelo natural crescer sem qualquer química que alise ou modifique o cabelo natural. Ou seja, aposenta a famosa progressiva e dá poder aos cachos. 

O alisamento começou a tomar grandes proporções nos anos 2000, ditando uma nova regra do padrão aceitável da mulher, hoje 17 anos após do boom da progressiva começamos à nos deparar com o emponderamento feminino e com a aceitação do próprio corpo, isso incluí o cabelo.

O período da transição é nada fácil, mas quando você passa por ela, é libertador.

Inúmeras blogueiras passaram pela transição - que não é um processo tão fácil quanto parece - e começaram a compartilhar com as suas seguidoras inspirando cada vez mais pessoas a entrar nesse processo. 

Conversamos com a Camila Souza, 22 anos e estudante de psicologia, que passou recentemente por uma transição capilar e deixou a progressiva de lado dando força ao seus cachos naturais. 

fotos: arquivo pessoal

Mãe eu cresci: O que te motivou a entrar na transição capilar? 

Camila: Na verdade foi quem me motivou rs. Passei boa parte da minha vida utilizando métodos para alisar o meu cabelo desde os 05 anos aos 18 anos idade, que foi quando realizei a última química. Meu namorado vendo como era a minha vida de alisada sempre ficava falando:
- "Por que você não para de fazer isso no cabelo? ", "O tempo que você gasta alisando seu cabelo, poderia estar cuidando do jeito que ele é." Isso gerava muitas discussões, pois ele tem o cabelo bem liso e ao meu ver era fácil ele ficar falando, porque não passava pelo mesmo que eu,  cheguei em uma situação que nem sabia como meu cabelo era mais. 

MEC: Quando decidiu que realmente iria começar a transição? 
CA: Na minha última química em Dezembro de 2013 já estava com essa ideia, mas achava que faria isso mais para frente. Em Janeiro de 2014 quando a raiz já começou a aparecer um pouco, decidi que não faria mais química no meu cabelo.
Tive muito apoio do meu namorado que até comprou alguns cremes e um difusor para me incentivar, mas nem tanto da minha família, pois achavam que não daria certo e que eu não seguiria adiante.

Nunca pensei em desistir, até porque não sou dessas.

MEC: Você teve ajuda de um profissional para te orientar, qual foi o primeiro passo depois da decisão? 
CA: Quando realizei a última química eu cheguei a conversar com um profissional que estava aplicando, sempre tratei meu cabelo com ele, minha mãe e irmã também. Fiquei decepcionada quando ele disse que não daria certo e que meu cabelo não voltaria a ser o mesmo, mas sabia que ele estava errado, porque havia pesquisado na internet sobre o assunto, procurei por blogs, canais no YouTube e grupos de cacheadas no Facebook,  tudo bem que na época o conteúdo sobre o assunto não era tão grande igual ao que temos hoje. Sempre pensei que ao menos que eu tivesse algo que alterasse a minha genética, ai sim o meu cabelo poderia não ser o mesmo de antes e eu estava certa.
Engraçado é que esse profissional que também é amigo da família me viu depois da transição e sempre elogia meu cabelo. Como não gosto de gente estranha mexendo no meu cabelo, continuei tratando com ele para hidratar, reconstruir e cortar meu cabelo. Depois com os cachos achei melhor procurar por um profissional para cortá-lo.

Na última vez que frequentei seu salão, mostrei como finalizo meu cabelo e ele chamou outras clientes para ver também, algumas delas tinham muitas dúvidas sobre transição e cuidados com os cachos. Parece que o jogo virou não é mesmo? Rsrs

MEC:Qual foi a maior dificuldade? Já quis desistir da transição?
CA: 
Nunca pensei em desistir, até porque não sou dessas rs.
Sempre que tenho que fazer algo mesmo que não goste eu sempre faço até o fim, sempre foi assim, por exemplo, cursos.

A minha maior dificuldade como de qualquer outra pessoa em transição foi lidar com as duas texturas, não queria cortar o meu cabelo de jeito nenhum, não tinha coragem de fazer o Bic Chop (grande corte), mas sempre admirei quem teve coragem de fazer. Fui deixando meu cabelo crescer e fui cortando aos poucos em casa mesmo com meu namorado. Antes que perguntem, sim meu namorado que cortava meu cabelo até quando estava com química, ele sempre teve problemas de encontrar um profissional que deixasse seu cabelo do jeito que queria, então aprendeu a cortar sozinho e eu deixava ele cortar o meu também, ele é bom nisso.

Aproximadamente com 8 meses de transição ainda conseguia ficar com escova e com o cabelo solto, depois de um tempo passei com o cabelo preso, o que não gostava muito, me sentia um patinho feio, então para passar por isso comecei a usar coisas que faziam com que me sentisse mais bonita como maquiagem, acessórios como colares, brincos, etc.

 

Antes / Durante

MEC: Você se inspirou na transição de alguém, quem? 
CA: Eu acompanhava bastante os grupos de cacheadas em transição no Facebook, como mencionei anteriormente. Ver mulheres ali que nem eu terminando a transição ou no meio dela eram minhas maiores inspirações para continuar. Claro que também procurei canais no YouTube  e encontrei a Rayza Nicácio. A Ray era a que eu mais acompanhava e ainda acompanho, pois me identifiquei muito não só com o cabelo, mas com estilo minimalista dela que sempre amei antes mesmo de conhecê-la e o pensamento dela. 

Mesmo depois de ter terminado minha transição continuo procurando por canais que me inspiram e 
outra Youtuber que me chamou a atenção e comecei a seguir  tem pouco tempo foi a Steffany Borges, ela é mais gente como a gente e também da dicas incríveis sobre produtos baratos e finalizações. 

Aproximadamente com 8 meses de transição ainda conseguia ficar com escova e com o cabelo solto, depois de um tempo passei com o cabelo preso, o que não gostava muito, me sentia um patinho feio.


MEC: O processo já acabou ou ainda tem química no seu cabelo? 
CA: Finalmente o processo já acabou, na verdade ele acabou em Outubro de 2015 que foi quando fiz o último corte que retirou o restante da química. Depois disso meu cabelo estava sem química, mas não conseguia definição por conta do tempo que fiquei fazendo escova. 

Também passei pelo o famoso Scabe Hair, para quem não sabe Scabe Hair é aquele fio novo que cresce quando o couro cabeludo está se recuperando da química e sua estrutura fica um pouco estranha e o fio pode ficar até quebradiço, meus fios ficaram apenas desestruturados, não formavam os cachos.

Depois do corte, nunca mais fiz escova, mas mantinha o cabelo preso, o que foi um erro, pois esticava o cabelo, atrapalhando na formação dos cachos. Tentei vários produtos nos quais não deram certo em meu cabelo, até que um dia uma colega de trabalho me indicou um creme da Salon Line que me ajudou muito, depois disso foi só felicidade. 

MEC:Gasta muito dinheiro fazer transição, entre produtos para finalização e etc? 
CA: Eu particularmente sempre gastei com produtos de cabelo, mesmo na época que eu alisava sempre  comprei  produtos para manter meu cabelo hidratado como: óleos, máscaras capilares, vitaminas e etc.

Esses produtos continuam me acompanhando, afinal cabelo cacheado precisa de um cuidado a mais, já que a curvatura dos cachos impede que a oleosidade do couro cabeludo passe para o fio todo.
Hoje como o mercado também está voltado para esse público com uma diversidade de produtos muito grande, é difícil não gastar rs. Atualmente gasto um pouco a mais sim, por conta dos cremes de pentear e o finalizadores, mas nada tão alto assim.


                                  


MEC: Qual é a principal dica que você dá para quem quer entrar em um transição?
CA: O período da transição é nada fácil, mas quando você passa por ela, é libertador, pelo menos  é assim que me sinto agora. Poder ir para um passeio que tenha piscina ou praia e não dar desculpas somente para não estragar meu cabelo ou não ter medo da chuva, isso é maravilhoso. 
Por isso uma das minhas principais dicas é TENHAM PACIÊNCIA, isso é fundamental, sério você não irá se arrepender.

Outra dica importante é não há nenhum produto que você passe que deixará seu cabelo cacheado naturalmente. Há procedimentos que fazem isso sim, mas se você quer se livrar da química, porque irá para outra? 

Outro fator que considero importante é que se você está em transição não se importe com olhares, questionamentos, infelizmente vivemos em uma cidade na qual as pessoas vivem julgando umas as outras mesmo que não percebam. Se você sabe e acredita que tem um propósito, siga em frente, no final tudo dará certo, acredite!

2 comentários:

  1. Eu estou no processo da transição e estou sofrendo muito, até porque os meus cachos nunca foram formadinhos então tenho dificuldade ate mesmo nas texturizações...eu estou sem química desde abril mas não larguei o secador e prancha kkkkkkkkkkk to me adaptando. Linda a Camila.

    Beijinhosss ;*
    Blog Resenhas da Pâm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como ela disse na entrevista, tenha calma que demora, mas o final é recompensador. ♥

      Excluir

Tecnologia do Blogger.